Nos anos 1950, a Movimentada cidade de Nova York era palco de uma das mais bizarras histórias de viagem no tempo. Num cruzamento da cidade, próximo à Times Square, segundo relatos, um homem apareceu misteriosamente no meio do trânsito.

Atônito com o movimento intenso dos carros, aquele homem de roupas fora de moda e extemporâneas para os anos 50, se apressa em atravessar a rua para chegar até a calçada, mas acaba sendo atropelado por um táxi.

Um policial que fazia sua patrulha a pé naquela área, viu quando o taxi atingiu o homem e correu para socorrê-lo. Para tristeza de todas as testemunhas daquela noite, o homem faleceu, vítima dos ferimentos decorrentes do atropelamento. O policial atendeu então a ocorrência e o homem atropelado foi revistado para que soubessem quem ele era.

A partir, daí a história ganha contornos dramáticos e bizarros.

Quando os paramédicos foram atender a vítima, houve um certo estranhamento com os trajes. Já que ele vestia roupas fora de moda como um chapéu de seda, calça xadrez e sapatos de botão, embora aparentasse 30 anos de idade.

Mas, durante a revista é que os objetos estranhos começaram a surgir!

  • Notas e Moedas que remetiam a 1876 ou anos anterior, em boas condições;
  • Uma carta enviada da Filadélfia, datada de junho de 1876;
  • Moedas de Latão de 5 centavos;
  • Alguns cartões de visita em nome de Rudolph Fentz,

Aqueles objetos e, principalmente, a data das moedas e notas não faziam sentido naqueles anos da década de 1950. Foi então que o Capitão Hubert V. Rihm, do Departamento de Pessoas Desaparecidas e responsável pela identificação do cidadão e sua família, começou a encontrar os fatos que marcaram esta história como uma das mais famosas lendas de viagem no tempo.

As primeiras buscas em torno do nome Rudolph Fentz não alavancaram a investigação. Já que não havia nada relacionado ao nome Rudolph Fentz com fichas criminais ou desaparecimentos em Nova York. Além disso, o endereço constante nos cartões de visita não correspondia a um imóvel que pudesse estar relacionado ao caso.

Encontraram Rudolph Fentz Jr.

O Capitão Rhim segue uma pista que o levaria ao contato com uma mulher na Flórida, viúva de um homem falecido havia 5 anos, de nome Rudolph Fentz Jr. Ansioso, o investigador entrou em contato por carta, certo que que solucionaria o caso, porém, o que ele obteve de informação, aprofundou ainda mais o mistério dessa história.

Surge a Lenda do Viajante do Tempo

A resposta enviada ao capitão dizia que a viúva de Rudolph Fentz Jr. era a nora de um homem desaparecido no ano de 1876, de nome Rudolph Fentz, com, aproximadamente 30 anos de idade.

O Capitão se assusta! Ele rapidamente lembra dos objetos encontrados no bolso do paletó da vítima, que datavam do ano de 1876, além do fato de que o homem aparentava 30 anos. Era a mesma descrição do policial e da equipe que prestou os primeiros socorros.

O Capitão volta aos arquivos mais antigos de desaparecidos da polícia de Nova York, e encontra um relato de 74 nos antes, cuja descrição bate com a de Rudolph Fentz. O Místério se instaurou!

Como um homem de 30 anos, desaparecido desde 1876, morre atropelado 74 anos depois, pouco tempo depois da morte do próprio filho, como as roupas e objetos datados do seu desaparecimento?

O Caso nunca foi solucionado, o Capitão Hubert V. Rihm nunca deu sequência às descobertas que fez. Talvez nunca saibamos quais foram as suas descobertas ou o que realmente aconteceu. O Que sobrou a analisar é a lenda de Rudolph Fentz, o viajante do tempo de Nova York. E Se For Verdade?