Category

Mistérios

Category

Você com certeza já ouviu falar em Jack, O Estripador. Um dos assassinos mais famosos da história de humanidade que ainda exerce influência nos dias de hoje, pelo mistério que cerca sua identidade verdadeira.

Jack Estripador faz parte da história moderna de Londres e, até hoje, causa impacto aos visitantes que chegam à capital Inglesa. O Distrito de Whitechapel é um dos locais preferidos dos turistas que vão em busca do passado de Jack.

Apesar das profundas mudanças ocorridas na região com a chegada do progresso, The Whitechapel Street ainda conserva elementos e pistas dos seus piores dias, além de guardar, segundo os turistas, um ar sombrio e misterioso. Como se fosse possível sentir sensações distintas pelos acontecimentos do passado.

A Movimentada Rua Whitechapel Street é a saída preferencial da estação Aldgate East. A grande movimentação diurna e noturna, já vem dos tempos de Jack Estripador. Naquele ano de 1888, The Whitechapel Street era um destino por onde passavam cargas e pessoas que vinham de todas as partes do país. Este movimentado mercado de agricultores atraía também os serviços pessoais de prostitutas da época.

Naqueles bares existentes na Whitechapel Street, Martha Tabram (Vítima de Jack Estripador) bebeu durante toda a noite anterior ao seu assassinato. Além disso, na mesma Whitechapel Street, na manhã de 18 de setembro de 1888, Charles Ludwig – um dos principais suspeitos de ser Jack, O Estripador – foi preso e ficou sub custódia da polícia por algum tempo.

Como epicentro das histórias de terror protagonizadas por Jack, O Estripador, Whitechapel Street – cujo nome têm origem numa Capela Medieval local de cor Branca – agora é parte de um roteiro turístico misterioso de Londres.

Leia mais em www.jack-the-ripper-tour.com

A Pequena Vila de Nagoro no Japão é um lugar tão peculiar quanto aterrorizante. Isso porque Tsukimi Ayano (moradora da vila), como forma de homenagear seus conterrâneos, resolveu fazer réplica das pessoas, à medida que elas morriam.

A estranha população já soma mais de 350 bonecos, dividindo espaço na vila das bonecas com os poucos humanos que moram por lá. Os “moradores eternos” de Nagoro podem ser localizados em diversos lugares da vila. Houve um grande preciosismo em preservar as atividades das pessoas, quando em vida. Portanto, existem crianças na escola, pessoas nas varandas das casas, pescadores à beira do cais etc.

Fonte: www.straitstimes.com

O Hospital Beelitz-Heilstätten foi, até os anos 1930, um sanatório referência para o tratamento de tuberculosos e também vítimas da Guerra. Entre os pacientes que passaram por lá, estava Adolf Hitler, ferido na Primeira Grande Guerra.

Este hospital seria, mais à frente, um centro de tratamento de soldados nazistas, pois era próximo de Berlim. Com o Fim da Guerra, ele foi ocupado pelos Soviéticos até a queda do muro de Berlim. Daí em diante, a situação só piorou. Embora ainda seja utilizado para tratamentos psiquiátricos, boa parte do complexo está abandonada, formando um cenário assustador e misterioso.

Foto: Gettyimage

A Floresta Hoia-Baciu fica localizada a oeste da cidade de Cluj-Napoca. Próxima da seção ao ar livre do Museu da Transilvânia. A floresta é um destino turístico muito procurado na Romênia. Em 1968 um OVNI teria sido fotografado na Floresta. Desde então, os relatos de fenômenos paranormais da Floresta de Hoia-Baciu só aumentou. Segundo os relatos de visitantes, ao entrar na Floresta eles sentiram sintomas estranhos como náuseas, tonturas, erupções na pele e até alucinações.

Há também relatos de pessoas que entraram na Floresta e, misteriosamente, desaparecera. A lenda começou a ser formada quando passou-se a se referir à Floresta de Hoia-Baciu como o “Triângulo das Bermudas da Transilvânia”.

Os fenômenos paranormais e as diversas aparições de ovnis fizeram os visitantes acreditarem que o local é um portal para outra dimensão, por isso os visitantes desaparecidos não voltaram, eles teriam descoberto os portais na Floresta.

Em 1898, durante a construção da Ferrovia Quênia-Uganda, houve problemas na construção da ponte sobre o rio Tsavo, no Quênia. O misterioso desaparecimento dos trabalhadores, além do prejuízo financeiro pelo atraso, desafiava a viabilidade da obra.

Durante 9 meses da construção da ponte, John Henry Patterson — engenheiro responsável pela obra — teve que conviver com dois leões. Os felinos matavam e devoravam os trabalhadores.

Embora o acampamento fosse, a cada dia, mais protegido por cercas e barreiras, nada impedia a entrada dos leões que ficaram cada vez mais sanguinários e assustadores. A situação fugiu do controle quando os leões fizeram com que os trabalhadores fugissem do rio. Interrompendo a obra.

Patterson, por sua vez, estava decidido a interromper a carnificina e armou emboscadas até conseguir atirar em um dos leões. Este mesmo felino voltou durante a noite e foi alvejado mais uma vez pelo engenheiro até que foi encontrado morto no dia seguinte.

O segundo leão passou a vitimar as pessoas sozinhos até ser atingido por Patterson que passou a perseguir o felino até conseguir abatê-lo. Contabilizando 11 tiros no total para matar definitivamente o segundo leão. Segundo Patterson, os Devoradores de Homens teriam feito em torno de 135 vítimas.

Patterson ao Lado de um dos Leões Mortos no Rio Tsavo (A Sombra e a Escuridão)

Os seres humanos não faziam parte da dieta dos felinos. Por isso, os Locais, atribuíram um caráter sobrenatural ao comportamento dos leões de quase 3 metros de comprimento. Além de matarem e devorarem suas vítimas, os leões, metodicamente, deixavam a cabeça das vítimas intactas.

A história ficou tão famosa que em 1996 virou filme: A Sombra e a Escuridão, com Michael Douglas e Val Kilmer.O Filme foi baseado no Livro escrito por John Henry Patterson: The Man-Eaters of Tsavo.

O que é a Substância Estranha Encontrada nos Sarcófagos de Faraós do Egito Antigo?

O Egito Antigo possui seus diversos mistérios e a cada nova descoberta traz à tona novidades bizarras. Foi assim com a descoberta do alinhamento das pirâmides e sua simbologia. Mas desta vez o mistério está nos sarcófagos. Diversos deles foram alvo de estudos bastante peculiares.

De acordo com os pesquisadores, uma característica incomum foi encontrada em sarcófagos que datam do período de 1300 a.C. até 750 a.C. Era uma gosma preta de origem misteriosa que, ao ser descoberta e noticiada, deu margem a diversas interpretações.

Os teóricos dos antigos astronautas levantaram a possibilidade de ser alguma substância desconhecida do homem. Provavelmente de origem alienígena. Segundo os relatórios emitidos pelos pesquisadores, os ingredientes da gosma estranha variavam de um sarcófago para o outro, mas as substâncias, essencialmente, eram encontradas somente no Egito. O que se encaixa na tese de que a substância pode não ser original da Terra.

Embora não tenham chegado a uma conclusão sobre o que realmente era a gosma preta, os pesquisadores acreditam é que a substância fazia parte do ritual de mumificação. Segundo eles, a pessoa morta tomava a forma do deus Osíris (representado com a pele negra, em formato de corpo mumificado), associado à morte e ao renascimento.

Pra que Servia a Gosma Preta dos Sarcófagos?

A gosma serviria então para simbolizar a conexão entre Osíris e os mortos. Mas pode significar algo mais, já que, segundo os teóricos dos antigos astronautas, os extraterrestres poderiam ser responsáveis pelas técnicas de mumificação. E a gosma alienígena seria proveniente de uma receita feita pelos visitantes, com elementos não presentes na Terra, isso poderia explicar a presença das substâncias exclusivamente no Egito, e a durabilidade do material aos mais de 3 mil anos de existência, mantendo ainda uma consistência ativa.

E SE FOR VERDADE?

Fonte: History

Você já ouviu falar em Ashtar Sheran. O Governador da Galáxia anda nos Visitando?

O Grande Sábio Universal, loiro, alto, forte de olhos azuis, é também um ser muito, muito poderoso. Talvez você nunca tenha ouvido falar em Ashtar Sheran, mas ele é figura importante em diversas histórias que vão dos teóricos dos antigos astronautas aos espíritas. Essa figura, geralmente descrita como dissemos acima, também tem sua versão Ufológica.

Num recente artigo da revista UFO, a identidade de Ashtar Sheran, como o galã das estrelas, é abordada de outra maneira. No artigo não há uma definição sobre a aparência do Extraterrestre, porém, a visão idealizada é questionada. levando o leitor a imaginar se, em vez de um galã, Ashtar Sheran fosse um ET como tantos outros que são relatados.

Sob a visão ufológica, não há relatos de extraterestres de aparência humana, apenas de humanóides que seriam facilmente reconhecidos como não humanos. Aleém disso, a única forma de seres mais humanizados e próximos da aparência humana são os híbridos, que conservam características originais de sua raça alienígena em algum ponto do corpo.

Porém, na maioria das histórias envolvendo seu nome, ele é descrito como entidade ou ser de luz mas com a aparência descrita no início do texto. O que devemos levar em consideração não é o fato de haver uma ou mais aparências possíveis, mas o fato de que Ashtar Sheran faz parte de mais de uma corrente de pensamento. Está em histórias de diversas abordagens sobre vidas fora da Terra, o que pode explicá-lo como muito mais que um mito.

Quem é Ashtar Sheran?

Ashtar Sheran seria o comandante-chefe da Confederação Intergaláctica da Grande Fraternidade Branca Universal, que teria sob suas ordens uma frota de mais de 500 naves. Essa confederação reuniria uma liga das mais variadas raças alienígenas que estariam tomando conta de diversos mundos como o objetivo de manter a paz, evitar conflitos e destruições em massa. Isso teria acontecido na Terra, pois os alienígenas teriam evitado a Guerra Fria.

Extraterrestre ou Espírito de Luz?

O Governador da galáxia levanta muitas dúvidas sobre sua origem e forma, mas parece haver um consenso sobre todas as teorias de que ele visita nosso planeta e se manifesta de várias maneiras. Seja em forma de Extraterrestre ou Espírito, há relatos de que ele conversa, por telepatia com algumas pessoas, em geral sensistivos, e também transmite seus recados de amor e esperança através de canais de comunicação como mediunidade e incorporações espíritas.

Seja como for sua forma de comunicação, Ashtar Sheran pode estar onipresente, caso seja um ser de luz. Afinal, eles estão por toda a parte e se movimentam com rapidez instantânea, pois são energia atraída por vibrações boas. Além de poderem se movimentar no espaço-tempo para trás e para a frente na timeline das diversas eras e povos.

Um episódio em que a existência de Ashtar Sheran é validada, seria uma reunião estelar ocorrida em 1969 onde o futuro da humanidade teria sido colocado em discussão. O prazo para que o homem conseguisse resolver seus conflitos sem a temida Guerra nuclear seria de 50 anos, prazo extinto em 2019. Durante todo esse tempo, o conflito que mais ameaçou a Terra e seu futuro foi, justamente, a Guerra Fria. Evitada pelos ETs.

Ashtar Sheran teria sido o Governador que comandou as naves alienígenas durante na Guerra Fria e um dos responsáveis pelas aparições que foram relatadas ao longo do século XX. Pelo jeito, o Galã das Estrelas teve êxito na missão. Pois não houve uma Guerra Nuclear.

E Se For Verdade?

Fonte: Revista Ufo e Grande Fraternidade Branca.

O Homem Com o Poder Sobrenatural de Atravessar Espadas e Floretes por Seu Corpo, Sem Se Ferir.

Nas décadas de 30/40, o Holandês Arnold Gerrit Henskes, mais conhecido como Mirin-Dajo assombrou o mundo ao fazer suas exibições bizarras com floretes e espadas.

Segundo o próprio Mirin-Dajo, aos 30 e poucos anos ele teria recebido um recado de Deus a respeito de seu corpo. Ele descobrira que, ao contrário dos seres humanos, seu corpo era mais resistente ou quase indestrutível.

Para provar, ele deveria fazer perfurações em seu corpo para entender que ele não sangraria como as outras pessoas, muito menos sofreria danos nos tecidos ou mesmo a morte quando fosse submetido às sessões de perfuração que iniciaria a seguir.

A propósito de divulgar sua mensagem sobre a espiritualidade e a existência de um Deus divino, e também dos poderes de seu corpo, Mirin-Dajo põe em marcha suas caravanas com apresentações para platéias e programas de televisão.

A epopéia de Mirin-Dajo também passou por entrevistas a grandes revistas e demonstrações públicas e em laboratórios da veracidade do poder indestrutível de seu corpo.

As façanhas de Mirin-Dajo eram aplaudidas e, ao mesmo tempo, contestadas. Havia de fato um poder sobrenatural em seu corpo que permitia que ele fosse atravessado por espadas e florins em diversas partes do corpo, inclusive com os objetos atravessando seu coração, e continuar vivo?

Muitos afirmam que Mirin-Dajo passou por vários testes que comprovaram a sua capacidade de ser indestrutível. Como a famosa reportagem da Revista Time, sobre um teste realizado em Zurique, onde Mirin-Dajo vivia. Nesta ocasião ele teria assombrado os médicos incrédulos com sua invulnerabilidade às feridas.

Apresentações de Mirin-Dajo

Em 1948, segundo ele contou, foi instruído por seres superiores a engolir uma agulha de aço, para que ela fosse removida através de uma cirurgia. Com esse procedimento, ficaria comprovada sua invulnerabilidade aos prováveis ferimentos causados por estes objetos.

O Procedimento foi feito e, com sucesso, a agulha foi retirada com cirurgia realizada na cidade de Zurique. Porém, alguns dias depois da cirurgia, durante sua recuperação, o holandês de corpo indestrutível, foi encontrado morto em sua cama.

Segundo a autópsia, ele teria sido vítima de um rompimento da artéria Aorta. Informação que foi contestada por pessoas próximas que realmente acreditavam nas façanhas de Mirin-Dajo.

E Se For Verdade?

Nos anos 1950, a Movimentada cidade de Nova York era palco de uma das mais bizarras histórias de viagem no tempo. Num cruzamento da cidade, próximo à Times Square, segundo relatos, um homem apareceu misteriosamente no meio do trânsito.

Atônito com o movimento intenso dos carros, aquele homem de roupas fora de moda e extemporâneas para os anos 50, se apressa em atravessar a rua para chegar até a calçada, mas acaba sendo atropelado por um táxi.

Um policial que fazia sua patrulha a pé naquela área, viu quando o taxi atingiu o homem e correu para socorrê-lo. Para tristeza de todas as testemunhas daquela noite, o homem faleceu, vítima dos ferimentos decorrentes do atropelamento. O policial atendeu então a ocorrência e o homem atropelado foi revistado para que soubessem quem ele era.

A partir, daí a história ganha contornos dramáticos e bizarros.

Quando os paramédicos foram atender a vítima, houve um certo estranhamento com os trajes. Já que ele vestia roupas fora de moda como um chapéu de seda, calça xadrez e sapatos de botão, embora aparentasse 30 anos de idade.

Mas, durante a revista é que os objetos estranhos começaram a surgir!

  • Notas e Moedas que remetiam a 1876 ou anos anterior, em boas condições;
  • Uma carta enviada da Filadélfia, datada de junho de 1876;
  • Moedas de Latão de 5 centavos;
  • Alguns cartões de visita em nome de Rudolph Fentz,

Aqueles objetos e, principalmente, a data das moedas e notas não faziam sentido naqueles anos da década de 1950. Foi então que o Capitão Hubert V. Rihm, do Departamento de Pessoas Desaparecidas e responsável pela identificação do cidadão e sua família, começou a encontrar os fatos que marcaram esta história como uma das mais famosas lendas de viagem no tempo.

As primeiras buscas em torno do nome Rudolph Fentz não alavancaram a investigação. Já que não havia nada relacionado ao nome Rudolph Fentz com fichas criminais ou desaparecimentos em Nova York. Além disso, o endereço constante nos cartões de visita não correspondia a um imóvel que pudesse estar relacionado ao caso.

Encontraram Rudolph Fentz Jr.

O Capitão Rhim segue uma pista que o levaria ao contato com uma mulher na Flórida, viúva de um homem falecido havia 5 anos, de nome Rudolph Fentz Jr. Ansioso, o investigador entrou em contato por carta, certo que que solucionaria o caso, porém, o que ele obteve de informação, aprofundou ainda mais o mistério dessa história.

Surge a Lenda do Viajante do Tempo

A resposta enviada ao capitão dizia que a viúva de Rudolph Fentz Jr. era a nora de um homem desaparecido no ano de 1876, de nome Rudolph Fentz, com, aproximadamente 30 anos de idade.

O Capitão se assusta! Ele rapidamente lembra dos objetos encontrados no bolso do paletó da vítima, que datavam do ano de 1876, além do fato de que o homem aparentava 30 anos. Era a mesma descrição do policial e da equipe que prestou os primeiros socorros.

O Capitão volta aos arquivos mais antigos de desaparecidos da polícia de Nova York, e encontra um relato de 74 nos antes, cuja descrição bate com a de Rudolph Fentz. O Místério se instaurou!

Como um homem de 30 anos, desaparecido desde 1876, morre atropelado 74 anos depois, pouco tempo depois da morte do próprio filho, como as roupas e objetos datados do seu desaparecimento?

O Caso nunca foi solucionado, o Capitão Hubert V. Rihm nunca deu sequência às descobertas que fez. Talvez nunca saibamos quais foram as suas descobertas ou o que realmente aconteceu. O Que sobrou a analisar é a lenda de Rudolph Fentz, o viajante do tempo de Nova York. E Se For Verdade?

O Incêndio da Catedral de Notre Dame foi Previsto Por um Artista Francês no Século XIX?

No Último dia 15 de abril de 2019, o mundo assistia atônito o incêndio que destruiu boa parte da Catedral de Notre Dame, em Paris. Ao vivo, as chamas foram vistas destruindo um patrimônio cultural, religioso e arquitetônico mundial.

Essa obra-prima da arquitetura gótica era um grande ponto turístico e parada obrigatória para franceses e visitantes, que observavam incrédulos o Incêndio da Catedral de Notre Dame.

Conheça um pouco da história da Catedral de Notre Dame.

A Catedral de Notre Dame de Paris é uma das mais antigas e mais lindas catedrais feitas na arquitetura gótica. Su construção teve início por volta do ano de 528 d.C.

Ao longo dos séculos sua construção foi sendo completada e aperfeiçoada, mantendo sempre o estilo gótico, que consagrou sua aparência e representou uma ruptura e grande inovação frente às igrejas romanas antigas.

Fachada da Catedral de Notre Dame em Paris, às margens do rio Sena, com pôr-do-sol dourado, pombos voando e a noite caindo deixando o céu numa mistura de laranja, violeta e azul escuro.
Fachada da Catedral de Notre Dame de Paris, às margens do rio Sena.

A História da França se passa, em parte, naquela bela Catedral às margens do rio Sena. Aquela construção majestosa foi palco e suas gárgulas, esculturas e sinos, foram testemunhas de julgamentos e condenações à fogueira, coração de reis e até da beatificação de Joana D’Arc.

Além disso, o famoso escritor francês Victor Hugo escreveu, em 1831, o romance O Corcunda de Notre-Dame. Situando os acontecimentos na catedral durante a Idade Média, a história trata de Quasimodo que se apaixona por uma cigana de nome Esmeralda. A ilustração poética do monumento abre portas a uma nova vontade de conhecimento da arquitectura do passado e, principalmente, da Catedral de Notre-Dame de Paris. Fonte Wikipedia.

A Premonição do Incêndio da Catedral de Notre Dame.

Desenho da Fachada da Catedral de Notre Dame em Paris
Desenho da Fachada da Catedral de Notre Dame em Paris

Quem é O Artista Que teria Feito Uma Pintura Premonitória do Incêndio da Catedral de Notre Dame

Gustave Fraipont (1849, Bruxelas – 1923, Paris) foi um pintor, escultor, ilustrador e designer de cartazes. Nascido na Bélgica, ele mais tarde se tornou cidadão francês naturalizado.

Gustave Fraipont

Ele pintou inúmeros cartazes para empresas ferroviárias, incluindo Chemins de fer de l’Ouest e Compagnie des chemins de fer de Nord, bem como documentos oficiais e títulos em papel. Seu cartaz Pierrefonds, empresa do Norte foi reproduzido na revista Les Maîtres de l’Affiche (1895-1900). Ele contribuiu para muitos jornais e revistas, como o francês e o Paris Courier. Em 1905, ele foi nomeado pintor da Marinha.

Durante a Primeira Guerra Mundial, ele produziu várias composições para o jornal L’Illustration, incluindo os monumentos destruídos pela guerra: o Ypres Cloth Hall, a Catedral de Reims e a Prefeitura de Arras. Fonte Wikipedia.

A Obra da Premonição do Incêndio da Catedral de Notre Dame

Obra “Premonição” de Gustave Fraipont que Retrata a Catedral em Chamas

Controvérsias sobre a Premonição do Incêndio da Catedral de Notre Dame

Como trabalhou como ilustrador durante a Primeira Guerra, fez com que o artista Gustave Fraipont criasse diversas figuras sob encomenda, entre elas, a obra acima. O Incêndio da Catedral realmente aconteceu num bombardeio lançado sobre a capital francesa, durante a Primeira Guerra Mundial.

Catedral Incendiada Durante Bombardeio na Primeira Guerra Mundial.

Portanto, a gravura do incêndio foi a retratação de um momento histórico, porém, a grande controvérsia que chamou a atenção é justamente o nome atribuído à obra: “Premonição”. Estaria o ilustrador apenas retratando o que viu, ou seria uma premonição do Incêndio da Catedral de Notre Dame de 2019? E Se For Verdade?

Leia Mais Sobre e Assista o Documentário que Está Chamando a Atenção das Pessoas na Web Sobre A Vida em Outros Planetas: No Meio de Nós

Neste Documentário: No Meio de Nós, apresentado pelo ator Renato Prieto (André Luiz no filme Nosso Lar, baseado no Livro Espírita Nosso Lar), você vai viajar pelas evidências de vida extraterrestre.

Não é a vida extraterrestre dos filmes com naves fantásticas que vêm em quantidade atacar a Terra, mas uma abordagem espiritual que é compartilhada por pessoas das mais diversas áreas do conhecimento.

Através do testemunho de Psiquiatras, Médiuns, Ufólogos etc, o tema dos alienígenas é tratado com grande seriedade e abre a nossa mente para a existência de uma inteligência superior que nos coloca, como seres humanos, num plano abaixo de desenvolvimento moral.

No Documentário No Meio De Nós você vai entender o real significado da Transição Planetária, e o momento em que as revelações sobre a vida fora do planeta Terra pode ocorrer.

No desenrolar do filme vamos, cada vez mais, compreendendo o conceito de consciência e equilíbrio cósmico, compreendendo que os extraterrestres são irmãos cósmicos que têm nos observado desde há muito, buscando nos guiar, sem interferir diretamente, nas nossas decisões para alavancarmos nosso desenvolvimento moral e alcancemos o desenvolvimento tecnológico e moral para realizemos todo o nosso potencial.

Confira abaixo o Documentário No Meio De Nós e descubra que existem mais segredos a serem desvendados em nossa vida do que supomos.

Confira a Seguir uma incrível série de fotos reais tiradas pelas Vítimas do caso Dyatlov Pass. Nas fotos a seguir você poderá ver algumas que indicam as evidências que deram origem a diversas Teorias sobre o caso Dyatlov Pass. As fotos estão em sequencia e legendadas, porém são apenas algumas. Existem muitas outras além de muito material que foi divulgado pelo governo russo, inclusive os prints dos relatórios oficiais, conforme você verá abaixo entre as Fotos do caso Dyatlov Pass.

Clique e veja também Fotos das Vítimas de Dyatlov Pass e Seus Corpos.

 

Fonte: https://dyatlovpass.com/

Ainda existe muita curiosidade a respeito das Vítimas de Dyatlov Pass e como ficara seus corpos. Conheça a seguir maiores detalhes sobre o estado dos Cadáveres de Dyatlov Pass e de que forma morreram. ATENÇÂO: As Imagens são fortes e não recomendadas para menores de 18 anos.

 

YURI NIKOLAEVICH DOROSHENKO

YURI DOROSHENKO

Detalhes da Necrópsia:

  • no cabelo do perito falecido encontrou partículas de musgo e agulhas de pinheiro; cabelo é queimado no lado direito da cabeça
  • Orelha, nariz e lábios estão cobertos de sangue
  • lábio superior inchado com hemorragia vermelha escura
  • tecido macio da face direita coberto com espuma cinza; líquido cinza vindo de sua boca aberta. A causa mais aparente é o edema pulmonar.
  • auriculares de orelha em cor vermelho-azulada; no lobo da orelha direita e manchas trágicas densas de cor marrom-avermelhada
  • superfície interna do ombro direito tem duas abrasões 2×1.5 cm sem sangramento nos tecidos, dois cortes na pele
  • axila direita tem uma contusão 2×1.5 cm
  • hematomas marrom-avermelhados com tamanho 4×1 cm, 2,5×1,5 cm, 5×5 cm no terço superior do antebraço direito
  • inchaço e pequenas abrasões na parte traseira do tecido mole da mão direita
  • contusão com sangramento no tecido mole subjacente nas costas da mão direita correspondente ao segundo osso metacarpal
  • os tecidos moles das duas mãos e das pontas dos dedos são especialmente roxos escuros; todos os dedos das mãos e pés estão gravemente congelados. Se Yuri Doroshenko tivesse sobrevivido, ele teria exigido uma amputação de todos os dedos e dedos dos pés.
  • na face interna do ombro esquerdo no terço inferior de abrasão marrom-vermelho
  • nas superfícies internas do cotovelo esquerdo pequenas abrasões cor marrom-avermelhada
  • na superfície interna do antebraço esquerdo há uma ferida na superfície da pele coberta com sangue seco
  • hematomas semelhantes na cor vermelha pálida nas canelas de ambas as pernas

Corpo de DOROSHENKO
Corpo de DOROSHENKO

 

 

YURI KRIVONISCHENKO

YURI KRIVONISCHENKO

Detalhes da Necrópsia:

  • contusões na testa 0,3×1,8 cm
  • sangramento difuso na região temporal e occipital direita devido a danos no músculo temporal
  • contusão em torno do osso temporal esquerdo
  • ponta do nariz está faltando, nenhum vestígio de sangue significa que foi mordido mais provavelmente por animais post mortem, o falecido foi encontrado com a face para cima
  • orelhas congeladas
  • porção da epiderme da mão direita é encontrada na boca do falecido
  • parte de trás da mão direita está inchada, os dedos são marrom-púrpura
  • As pontas dos dedos na mão direita são de cor castanha escura, escoriações menores da pele no tecido mole
  • palma da mão direita cor vermelho-azulada, pele marrom escura ferida com bordas irregulares na base do polegar
  • na falange média dos dedos 4-5 ferida cutânea com bordas duras e superfície carbonizada
  • descolamento da epiderme de 2 cm nas costas da mão esquerda
  • abrasão na cor vermelha pálida no lado direito do peito 7×2 cm e 2×1.2 cm
  • abrasões vermelhas pálidas ao longo da linha clavicular média na borda da costela do hipocôndrio direito
  • escoriações vermelhas escuras no pulso esquerdo, parte traseira da mão esquerda está inchada
  • contusão rosa e marrom-avermelhada na nádega esquerda 10×3 cm
  • três lesões lineares da pele com bordas retas, cantos vivos e profundidade de até 0,3 cm no lado interno do terço superior da coxa esquerda
  • três feridas cutâneas com cantos agudos no lado interno do terço superior do quadril esquerdo
  • abrasão marrom escuro na frente do fêmur direito e da tíbia
  • escoriações marrom-avermelhadas escuras na coxa esquerda interna
  • edema na perna esquerda e no pé, queimar na área do tamanho de 31×10 cm em toda a superfície externa da perna
  • manchas na área de 10×4 cm de epiderme marrom-avermelhada descascando da parte de trás do pé esquerdo, segundo dedo do pé carbonizado a cor marrom escuro e o tecido é denso ao toque

Foto dos Corpos de YURI DOROSHENKO e YURI KRIVONISCHENKO
Foto dos Corpos de YURI DOROSHENKO e YURI KRIVONISCHENKO

 

Foto de Igor Dyatlov

IGOR DYATLOV

Detalhes da Necrópsia:

  • escoriações menores na testa
  • abrasões menores nas pálpebras superiores
  • escoriações marrom-avermelhadas acima da sobrancelha esquerda
  • abrasões menores na bochecha esquerda
  • escoriações marrom-avermelhadas em ambas as bochechas
  • sangue seco nos lábios
  • mandíbula inferior tinha um incisivo faltando, a mucosa estava intacta, sugerindo que o dente foi perdido muito antes da viagem final
  • joelhos machucados sem sangramento nos tecidos subjacentes
  • ambos os tornozelos tinham abrasões vermelho acastanhadas, tamanho 1×0,5 cm e 3×2,5 cm com hemorragia no tecido subjacente
  • incisão única 4×2 cm no terço inferior da tíbia direita
  • muitos pequenos arranhões de cor vermelho-escuro no terço inferior do antebraço direito e superfície da palma
  • descoloração cinza-acinzentada no verso da mão direita
  • articulações metacarpofalângicas na mão direita tinham hematomas vermelhos marrons. Esta é uma lesão comum nas lutas entre mãos. Para ter uma ideia melhor das lesões, basta fazer um soco. Esta é a parte da mão que você usa para acertar alguém.
  • A mão esquerda é de cor marrom-púrpura com hematomas vermelho-acastanhados
  • feridas superficiais no 2º e 5º dedos da mão esquerda
  • ferida na pele na superfície palmar do 2º 5º dedo da mão esquerda

 

Foto do Corpo de Igor Dyatlov
Foto do Corpo de Igor Dyatlov

 

Foto de Zina Kolmogorova

ZINAIDA KOLMOGOROVA

Detalhes da Necrópsia:

  • abrasão vermelha escura na eminência frontal direita
  • área cinzenta pálida 3×2 cm acima da sobrancelha direita
  • abrasão vermelha escura nas pálpebras superiores
  • marrom vermelho pastar na ponte e ponta do nariz
  • numerosas abrasões na face esquerda
  • pele machucada no lado direito do rosto
  • abrasão marrom-avermelhada nas costas de ambas as mãos na área das articulações metacarpais falangeanas e interfalângicas
  • ferida com bordas irregulares e falta de pele nas costas da mão direita na base do terceiro dedo
  • Geladura nas falanges dos dedos
  • uma longa contusão vermelha brilhante 29×6 cm na região lombar no lado direito do tronco. O hematoma parece com a esquerda de um bastão

 

Foto do Corpo de Zina Kolmogorova
Foto do Corpo de Zina Kolmogorova

 

Foto de Rustem Slobodin

RUSTEM SLOBODIN

Detalhes da Necrópsia:

  • hemorragias nos músculos temporais
  • escoriações vermelhas acastanhadas menores na testa
  • dois arranhões são 1,5 cm de comprimento a uma distância de 0,3 cm entre eles
  • contusão vermelha acastanhada na pálpebra superior do olho direito com hemorragia nos tecidos subjacentes
  • vestígios de corrimento sanguíneo do nariz
  • inchaço e um monte de pequenas abrasões em ambos os lados do rosto
  • contusões nas articulações metacarpofalângicas em ambas as mãos (juntas machucadas). Contusões semelhantes são comuns na mão para lutar
  • hematomas de cereja marrom no aspecto medial do braço esquerdo e palma esquerda
  • lábios inchados
  • hematomas na tíbia esquerda em dimensões de 2,5×1,5 cm (não mostrado no diagrama)
  • epiderme é arrancada do antebraço direito (não mostrado no diagrama)
  • fratura do osso frontal 6×0,1 cm localizada a 1,5 cm da sutura sagital (mostrando diagrama de traumatismo crânio-encefálico separado sem números)

 

Detalhe que Explica a Fratura no Crânio de Rustem Slobodin
Detalhe que Explica a Fratura no Crânio de Rustem Slobodin

 

Foto do Corpo de Rustem Slobodin
Foto do Corpo de Rustem Slobodin

 

 

LYUDMILA DUBININA

LYUDMILA DUBININA

Detalhes da Necrópsia:

  • Faltam tecidos moles ao redor dos olhos, as sobrancelhas, a ponte do nariz e o osso da bochecha esquerda estão parcialmente expostos
  • tecidos danificados ao redor do osso temporal esquerdo, tamanho 4×4 cm
  • órbitas dos olhos estão vazias, globos oculares estão faltando
  • cartilagens do nariz são quebradas e achatadas
  • tecidos moles do lábio superior estão ausentes, os dentes e a mandíbula superior estão expostos
  • língua está faltando
  • costelas 2, 3, 4, 5 são quebradas no lado direito, duas linhas de fratura são visíveis
  • costelas 2, 3, 4, 5, 6, 7 são quebradas no lado esquerdo, duas linhas de fratura são visíveis
  • hemorragia maciça no átrio direito do coração
  • machucado na coxa esquerda média, tamanho 10×5 cm (não mostrado no diagrama)

 

Foto do Cropo de LYUDMILA DUBININA
Foto do Cropo de LYUDMILA DUBININA

 

 

SEMYON ZOLOTARYOV

SEMYON ZOLOTARYOV

Detalhes da Necrópsia:

  • bolas de olho estão faltando
  • falta de tecidos moles ao redor da sobrancelha esquerda, tamanho 7×6 cm, osso exposto
  • ferida aberta no lado direito do crânio com osso exposto, 8×6 cm de tamanho
  • peito flail, costelas quebradas 2, 3, 4, 5, 6 no lado direito, duas linhas de fratura

 

Kolevatov and Zolotaryov
Corpos de Kolevatov and Zolotaryov

 

ALEKSANDER KOLEVATOV

ALEKSANDER KOLEVATOV

Detalhes da Necrópsia:

  • falta de tecidos moles ao redor dos olhos, sobrancelhas ausentes, ossos do crânio expostos
  • a ponte do nariz é reta; a cartilagem do nariz é macia quando palpada e tem mobilidade incomum; a base do nariz é achatada com as narinas comprimidas (isso não significa necessariamente nariz quebrado)
  • ferida aberta atrás da orelha, tamanho 3×1.5 cm
  • pescoço deformado
  • sangramento difuso nos tecidos subjacentes do joelho esquerdo (não mostrado no diagrama)
  • pele amolecida e branqueada (maceração) dos dedos e pés, sinal que consiste em putrefação em meio úmido
  • pele geral tinha uma cor verde cinza com um tom de roxo

 

Kolevatov and Zolotaryov
Corpos de Kolevatov and Zolotaryov

 

 

NIKOLAY THIBEAUX-BRIGNOLLE

NIKOLAY THIBEAUX-BRIGNOLLE

Detalhes da Necrópsia:

  • múltiplas fraturas no osso temporal, com extensões nos ossos frontal e esfenoidal, o fechamento das fraturas do crânio é mostrado na figura
  • contusão no lábio superior no lado esquerdo
  • hemorragia no antebraço inferior, tamanho 10×12 cm

 

Detalhe da Fratura de NIKOLAY THIBEAUX-BRIGNOLLE
Detalhe da Fratura de NIKOLAY THIBEAUX-BRIGNOLLE

 

Dubinina and Thibeaux-Brignolle
Corpos de Dubinina e Thibeaux-Brignolle

 

Conheça o Caso Dyatlov Pass Completo

Outras Fotos de Dyatlov Pass Aqui

Mais Fotos dos Corpos em https://dyatlovpass.com

O Símbolo de Baphomet é uma insígnia que identifica os adoradores a seita do ídolo pagão conhecido como Baphomet.

As primeiras menções ao nome e ao Símbolo de Baphomet datam das época cos cavaleiros templários. O Símbolo seria uma identificação daqueles que serviam e  adoravam este Deus Pagão da Antiguidade. Os Cavaleiros Templários que teriam sido torturados e executados pelo Rei da França na famigerada sexta-feira 13. Eles teriam citado o nome de Baphomet em suas confissões sob tortura.

Outros Cavaleiros Templários teriam citado o mesmo nome antes de serem queimados nas fogueiras pelos crimes que supostamente teriam cometido. Entre eles, a adoração de Deuses Pagãos. Estes acontecimentos teriam desencadeado, pela fúria de Baphomet a superstição acerca da sexta-feira 13, como um dia de má sorte.

Símbolos da igreja de Satã - Símbolo de Baphomet
Símbolos da igreja de Satã – Símbolo de Baphomet

A Descrição mais comum do Símbolo de Baphomet é a cabeça de um bode Sabático dentro de um pentagrama. Está cercado por um código misterioso. Este símbolo tem sido difundido durante os séculos como a forma mais aproximada das descrições feitas pelo Cavaleiros Templários.

 

 

O Que se sabe sobre o Símbolo de Baphomet?

Muito pouco se sabe sobre os Cavaleiros Templários e, consequentemente o Símbolo de Baphomet. Até porque os registros e seus segredos foram guardados durante séculos. Místicos e mentores de seitas pagãs se aproveitaram da simbologia para lançar novas crenças contrapostas à Igreja Católica.

Uma delas é a Igreja de Satã, que coloca o diabo descrito pela Igreja Católica como uma Invenção. Pregando que, na verdade, era uma divindade benéfica e não o representante de todo o mal, conforme as histórias aterrorizantes contadas para os católicos descreviam.

O Símbolo de Baphomet também tem sido atribuído, além da Igreja de Satã, a outras Sociedades Secretas com origens na antiguidade, também caracterizadas por reuniões e rituais fora do alcance da Igreja Católica. Estas Sociedades Secretas possuem o mesmo tipo de operação secreta da Ordem dos Templários, segundo as teorias, isto explicaria a simbologia utilizada pelas seitas e sociedades secretas em seus rituais como uma nova Ordem dos Templários, ainda em busca do Santo Graal.

E Se For Verdade?

Eram os deuses astronautas?

O Livro Definitivo pra Você Conhecer os Mistérios da Nossa História

Em 1968, Erick Von Däniken lançou o livro Eram os Deuses Astronautas?. Um best-seller que teve sua venda proibida em muitos países no século XX.

Capa do Livro: Eram os Deuses Astronautas? de Erick Von Däniken
Capa do Livro: Eram os Deuses Astronautas? de Erick Von Däniken. Editora Melhoramentos 2005.

O Livro Eram os Deuses Astronautas? faz uma análise minuciosa a respeito de rituais e lugares misteriosos do mundo. Além de abordar a arte como forma de manifestação da visão das civilizações antigas sobre a vinda de seres mais avançados em nosso planeta.

Classificado em catálogos como Arqueologia, Civilizações Antigas, Influências Extraterrestres e Vida em Outros Planetas. O Livro Eram os Deuses Astronautas? não pretende oferecer novas explicações para contrariar as definições estabelecidas. Porém o autor o coloca como um convite à discussão.

Pois apresenta uma série de evidências que permitem uma séria análise sobre a veracidade daquilo que aprendemos. Os argumentos do autor não são diferentes dos principais livros história. Mas ele dá uma nova interpretação, a partir da narrativa habitual, inclusive utilizando as narrativas bíblicas ao pé da letra. Mas apresenta uma observação peculiar oferecendo o contraponto entre a narrativa e as evidências físicas do que poderia ter acontecido.

Basicamente a discussão gira em torno da formação cultural e avanço tecnológico ter influência alienígena. As evidências arqueológicas de que existiram ferramentas avançadas e técnicas desconhecidas de construção fazem parte do acervo de argumentos do autor.

A existência de diversas narrativas de deuses em carruagens de fogo, além de figuras rupestres com figuras em forma de astronautas dão a tônica de outras argumentações. A mitologia de cada lugar misterioso e também a cultura popular são base para uma interpretação muito bem desenvolvida de que realmente é possível haver participação extraterrestre em nossa formação civilizacional.

O Livro Eram os Deuses Astronautas? foi escrito em XII capítulos distribuídos da seguinte forma:

Capítulo I – Eram os Deuses Astronautas?

Há Outros Seres Inteligentes no Cosmo?

Neste capítulo o autor, Erick Von Däniken, aborda temas relacionados a Inteligência Extraterrena, Vida sem Oxigênio ou em Ambientes Letais ao Homem. Ele levanta questionamentos, entre outras coisas, a existência de mais de 100 bilhões de estrelas, apenas na Via-Láctea e a possibilidade de haver vida em pelo menos 1% delas. Além disso, fala em experiências que comprovam que não haveria, para existência da vida, uma atmosfera como a nossa. Isso só seria necessária para a vida humana, mas se houvesse outras formas com outras características físicas, isso seria possível e provável.

 

Capítulo II – Eram os Deuses Astronautas?

Quando Nossa Espaçonave pousou…

Neste capítulo o autor aborda a viagem em naves espaciais falando do futuro. A partir de uma hipotética viagem a partir da Terra, ele nos leva a raciocinar sobre um pouso em um planeta distante. Estaria o Homem da Terra, pousando diante, por exemplo, de uma civilização extraterrestre atrasada. Assim como os Deuses Astronautas do passado, encontraram nossos ancestrais há 8mil anos. Através deste exame de como seria ele nos leva a uma reflexão de como seriam os registros da civilização deixados para a posteridade. Traçando um paralelo com a nossa civilização antiga quanto às pinturas rupestres e registros rudimentares dos visitantes que teriam pousado aqui antigamente.

 

Capítulo III – Eram os Deuses Astronautas?

O Mundo Improvável do Inexplicado

Nesta capítulo,Erick Von Däniken, trata de mapas geográficos encontrados e datados e de aproximadamente 11mil anos atrás. Levando em consideração que, ao tempo da criação destes mapas, sequer o homem tinha conhecimentos ricos em astronomia. A bem pouco tempo atrás a Terra era Plana, para a maioria da população mundial, e as ideias de Pitágoras a respeito do formato da Terra não ser plano – as primeiras a respeito – datam de 300 anos a.C., aproximadamente.

Além disso, o autor apresenta a hipótese de algumas ruínas e locais misteriosos poderem ser aeroportos antigos. Ele faz uma relação entre a evolução da nossa civilização – a viagem ao espaço e os trajes espaciais – com a possibilidade de civilizações mais avançadas poderem visitar outros planetas e transferir tecnologia aos antigos habitantes.

Para embasar suas teorias ele também recorre à mitologia que descreve as aparições, ainda que na linguagem de Deuses e Divindades descendo dos céus, mas levando ao raciocínio a respeito de evidências muito parecidas. Datadas das mesmas épocas em lugares muito distantes.

 

Capítulo IV – Eram os Deuses Astronautas?

Seriam Astronautas os “Deuses”?

Neste capítulo, o autor fala com base nas narrativas bíblicas e mitologias que falam em Deuses e Estrangeiros que desciam dos céus. Analisando os textos sem o viés místico, Erick Von Däniken leva o leitor a raciocinar a respeito das descrições. Ele argumenta que os “Estrangeiros” e “Deuses”, segundo as descrições desciam dos céus e tinham grande influência sobre os habitantes da terra. Há, nas narrativas, a menção às trocas de informações e entrega de conhecimentos que impulsionaram mudanças sociais das antigas civilizações.

 

Capítulo V – Eram os Deuses Astronautas?

Astronaves Procedentes do Espaço

Neste Capítulo, o autor fala sobre as relações próximas entre os humanos e os “Deuses” vindos do espaço. Também discorre sobre o épico Poema de Gilgamés. Descoberto na colina de Kuyundjik, no fim do século XIX. Fala sobre a primeira narrativa de uma viagem espacial. É o relato de uma testemunha ocular que teria sido levada para fora da órbita da terra e teve a oportunidade de voltar para contar. As placas com a narrativa escrita em linguagem arcaica é uma prova, segundo o autor, de que havia visitantes espaciais na antiguidade.

 

Capítulo VI – Eram os Deuses Astronautas?

Imaginação e Lendas Antigas…Ou Antigos Fatos?

Aqui, ele aborda novos relatos de “Carros Celestiais” e lendas antigas que falavam sobre visitantes. Também relata sobre o legado dos Maias. Uma civilização muito avançada para o seu tempo. Que nos legou diversos conhecimentos astronômicos, além de um calendário muito preciso. Novos relatos de povos que descreviam suas divindades em carros alados com fogo, também são parte deste capítulo.

 

Capítulo VII – Eram os Deuses Astronautas?

Maravilhas da Antiguidade ou “Espaços- Portos” Pré-Históricos?

nesta capítulo o autor se volta para o Egito antigo. Abordando a origem dos faraós, considerados divindades celestiais, em seu tempo. As técnicas de construção das pirâmides e a escolha precisa de suas dimensões e localização. Além disso, ele fala sobre as técnicas de criogenia utilizadas para fazer as múmias e preservar os corpos nos funerais de reis.

 

Capítulo VIII – Eram os Deuses Astronautas?

A Ilha de Páscoa – A Terra dos homens Pássaros

Neste capítulo Erick Von Däniken fala sobre os Mistérios da Ilha de Páscoa e as estranhas Estátuas Moais, formações rochosas que foram colocadas sobre a Ilha, e transportadas sobre seu território, de forma misteriosa.

 

Capítulo IX – Eram os Deuses Astronautas?

Os Mistérios da América do Sul e Outras Singularidades

Neste capítulo Erick Von Däniken fala sobre a América do Sul e suas civilizações antigas. Os mistérios e lugares distintos do continente que também teve suas civilizações pré-colombianas com tecnologia avançada e conhecimentos astronômicos modernos. Além disso fala sobre as crença em divindades celestiais, o culto a Deuses espaciais destas civilizações e as Misteriosas Linhas de Nazca. Também fala sobre seus símbolos e sua arte que remetem a viagens espaciais e visitantes de outros mundos.

 

Capítulo X – Eram os Deuses Astronautas?

A Experiência Espacial Terrestre

Neste capítulo Erick Von Däniken fala sobre nossa esperiência mais recente. Ele fala sobre cosmonáutica e a necessidade virente de viagens espaciais. Ele Fala também sobre UFOS e avistamentos, ainda que desacreditados e caluniados, como visitas que, em breve, os seres humanos farão a outros Planetas. Para embasar seus argumentos, ele cita o caso dos recursos finitos da Terra, que, um dia, deverão ser buscados em outros Planetas de igual atmosfera. Erick Von Däniken também aborda a tecnologia e o impulso que a Cosmonáutica dá ao avanço civilizatório. Além disso abre a discussão sobre corpos celestes que poderiam, na verdade, ser satélites artificiais.

 

Capítulo XI – Eram os Deuses Astronautas?

A Busca de Comunicação Direta

Neste capítulo Erick Von Däniken fala sobre a comunicação entre mentes, através da telepatia como ponto inicial da tentativa de comunicaçao Extraterrestre. Também fala sobre experimentos sobre comunicações espaciais e uma equação que calculou a possibilidade de existência de milhões de tentativas de comunicações interplanetárias.

 

Capítulo XII – Eram os Deuses Astronautas?

O Futuro

Neste capítulo Erick Von Däniken fala sobre o legado das visitas espaciais ao nosso Planeta e a responsabilidade dos humanos em dar sequência ao desenvolvimento civilizacional com a conquista do espaço cósmico.

 

O Livro Eram os Deuses Astronautas? é uma leitura indispensável para você que deseja saber mais sobre as civilizações antigas. Também é um grande arquivo de mistérios que podem mudar sua maneira de enxergar nossa civilização atual. O autor Erick Von Däniken fez um trabalho brilhante de pesquisa e paralelos entre a história bíblica, arqueologia, cosmologia e tecnologia. Este resumo em capítulos é apenas uma abordagem a respeito dos assuntos, e não pretende substituir a deliciosa leitura do livro.  Eram os Deuses Astronautas? está disponível em Edição Escrita ou Ebook. Boa Leitura!

 

Veja também:

Documentário Eram os Deuses Astronautas?

Em 1924 nasce Elisabeth Short, a Dália Negra. Uma Americana que sonhava em ser atriz e viveu muito pouco para realizar seu sonho.

A Dália Negra teve um início de infância próspero até seu pai decidir investir em construção de mini-campos de golfe. O Negócio não prosperou e as economias da família foram todas consumidas no negócio fracassado. Sem dinheiro e envergonhado o pai de Elisabeth Short desapareceu um dia. Seu carro foi encontrado abandonado e ele nunca foi encontrado. As especulações seriam de que ele teria se matado.

A Mãe da Dália Negra então se muda com as filhas para a California, morar em Los Angeles. A cidade que era próspera no cinema, encantou a pequena Elisabeth Short que desejava se tornar uma atriz famosa. Uma linda e determinada mulher com um destino trágico.

No dia 15 de Janeiro de 1947, à beira de uma estrada em Los Angels. Num bairro, à época pouco povoado, foi encontrado o corpo de uma mulher. Uma cena macabra era revelada à população. Amplamente fotografada, documentada e explorada, a Dália Negra foi encontrada morta.

Seu corpo estava separado em duas seções. O tronco com a cabe;ca e os braços separados por aproximadamente 30cm da parte da cintura com as pernas. A Dália Negra foi morta e seu corpo teria sido cuidadosamente cortado ao meio. Seus seios também apresentavam cortes precisos bem como suas coxas. Elisabeth Short teve, segundo os legistas da época, alguns órgãos retirados e os intestinos cuidadosamente colocados embaixo do corpo.

A Dália Negra foi vítima de um dos crimes mais Misteriosos da História da Polícia de Los Angeles.

Crimes Misteriosos - O Assassinato da Dália Negra
Corpo de Elisabeth Short Partido ao Meio Como Foi Encontrada

Seu sangue foi drenado completamente. Segundo os médicos a morte ocorreu, aproximadamente, 10 horas antes do corpo ser encontrado. Os investigadores concluíram que o assassino teria cometido o crime em outro local, preparado o corpo e descartado à beira da estrada. Além disso, a cena demonstrava que havia método para o descarte. Algumas curiosidades como o fato do corpo estar separado e os órgãos organizados embaixo dele intrigaram os investigadores.

O rosto de Elisabeth Short estava cortado de orelha a orelha. Mais um elemento macabro de um crime brutal. O Assassinato da Dália Negra teve enorme repercussão pela brutalidade mas também por não ter sido solucionado.

Esse crime tornou-se um dos maiores mistérios da época moderna. Produziu mais de 150 suspeitos, inúmeros livros e documentários a respeito do crime e da vida de Elisabeth Short, porém nenhuma solução.

A Pirâmide da Antártida: Mais Um Mistério do Mundo revelado Pelo Google Earth

O Google Earth é uma poderosa ferramenta para visitar os lugares do mundo e visitá-los sem sair de casa. Além disso, é capaz de revelar lugares misteriosos e alimentar mais teorias da conspiração. A novidade é a respeito de algumas pirâmides encontradas no Continente Antártido.

Pelo Google Earth conseguimos ver as formações piramidais que, num primeiro momento foram apresentadas como o topo de uma cadeia de montanhas cobertas pelo gelo. Com o aquecimento do planeta seria natural que as montanhas surgissem em meio a todo aquele gelo. Porém uma Montanha em formato misterioso de pirâmide não é muito comum.

Pela imagem é possível verificar que existem 4 lados na base da pirâmide e sua superfície é bem plana. Ainda que vivesse coberta de gelo, se fosse uma montanha, deveria ter a superfície muito erodida pelo vento forte, comum às regiões montanhosas. basta ver que o Everest, recoberto de neve em seu topo, possui uma superfície acidentada.

Mais uma vez este mistério levanta suspeitas a respeito de civilizações antigas, inclusive em lugares que não exploramos ainda. Seja como for, a parte mais difícil de explicar é que, misteriosamente, os lados da Pirâmide da Antártida alinham-se aos pontos cardeais, como as pirâmides do Egito. E se For Verdade?

 

Secured By miniOrange