Você já assistiu o filme O Exorcismo de Emily Rose? Este filme aparentemente foi baseado numa história real de exorcismo ocorrido na Alemanha.

Leia a Sinopse do Filme: Emily Rose (Jennifer Carpenter) é uma jovem que deixou sua casa em uma região rural para cursar a faculdade. Um dia, sozinha em seu quarto no alojamento, ela tem uma alucinação assustadora, perdendo a consciência logo em seguida. Como seus surtos ficam cada vez mais frequentes, Emily, que é católica praticante, aceita ser submetida a uma sessão de exorcismo. Quem realiza a sessão é o sacerdote de sua paróquia, o padre Richard Moore (Tom Wilkinson). Porém Emily morre durante o exorcismo, o que faz com que o padre seja acusado de assassinato. Erin Bruner (Laura Linney), uma advogada famosa, aceita pegar a defesa do padre Moore em troca da garantia de sociedade em uma banca de advocacia. À medida que o processo transcorre o cinismo e o ateísmo de Erin são desafiados pela fé do padre Moore e também pelos eventos inexplicáveis em torno do caso.

O CASO REAL

Anneliese Michel nasceu na Alemanha 1952. Foi criada em uma família bastante católica e, segundo relatos de seus familiares e colegas de faculdade era uma garota bastante religiosa e vivia segundo os costumes da igreja católica.

Após alguns episódios de convulsões e sintomas de depressão, Anneliese Michel, foi internada algumas vezes em um hospital psiquiátrico, onde fora medicada anteriormente. Sob efeito dos remédios ela ficava anestesiada, mas quando o efeito dos medicamentos passava ela apresentava um quadro cada vez mais grave.

As suspeitas de epilepsia não convenceram amigos e religiosos que suspeitavam de uma possessão demoníaca grave. Frustrada com a falta de resultados dos medicamentos e, cada vez mais atormentada, Anneliese Michel se convenceu que algo estava errado e que ela estava realmente possuída. A partir daí entrou em um abismo psicótico. ela que era extremamente religiosa, agora evitava e destruía artigos religiosos como crucifixos e passou a ter alucinações e ouvir vozes cada vez mais frequentes.

Anneliese Michel

A bela Anneliese Michel ainda jovem. Pouco Antes de ser possuída por espíritos malignos.

Sua família passa a deixar de lado o tratamento médico e se concentra na Possessão. Consultando diversos padres e fazendo correntes de oração constantes em torno de Anneliese Michel. Entre os sintomas da fase mais aguda de sua doença ela ficava agressiva, bebia sua própria urina, arranhava as unhas no chão e na parede e machucava gravemente a si mesma com mordidas, arranhões e batidas na parede.

Após algumas recusas da Igreja Católica, Anneliese Michel obteve com o Bispo em 1975, a autorização para ser exorcizada pelo padre Arnold Renz, segundo o ritual Romano. Muito sigilo foi exigido sobre o caso, visto que para Rituais de Exorcismos é preciso a autorização do Vaticano.

Anneliese Michel - O verdadeiro Exorcismo de Emily Rose

Anneliese Michel – Sofrimento e Tormento Duradouros.

Anneliese Michel - O verdadeiro Exorcismo de Emily Rose

Ferimentos e Marcas a que os Demônios a Expuseram.

Anneliese Michel - O verdadeiro Exorcismo de Emily Rose

Anneliese Michel tenta se livrar dos demônios em uma das sessões de Exorcismo.

Anneliese Michel - O verdadeiro Exorcismo de Emily Rose

Tanto sofrimento levaram à sua morte em 1 de Julho de 1976.

Anneliese Michel - O verdadeiro Exorcismo de Emily Rose

Entre 1975 e 1976, a garota passou por diversas sessões de Exorcismo que terminaram com a sua morte em Julho de 1976. Sempre com a família a seu lado para tentar amainar-lhe o sofrimento que se fazia pior a cada dia, a garota lutava com as poucas forças que tinha para se curar. Porém sem Sucesso.

As causas da morte foram, segundo a necropsia: desidratação e desnutrição. Além de Pneumonia contraída durante o grande período em que permaneceu deitada, sem forças para se mover.

O caso foi parar nos tribunais como relatado no filme “O Exorcismo de Emily Rose”. Os padres que participaram dos exorcismos foram julgados por assassinato. Após dois anos da morte de Anneliese Michel, seu corpo foi exumado e, segundo relatos, estava intacto e sem os sinais claros de decomposição pelo tempo que estava enterrado. O caso nunca foi reconhecido, mesmo pelo Vaticano, como Possessão embora os audios das sessões e as falas do demônios tenham sido utilizados como provas nos tribunais. Mas e se for verdade?