Você conhece a história de a Sombra e a Escuridão?

Durante a construção de uma ferrovia no Quênia, uma série de mortes misteriosas começaram a ocorrer. Embora houvesse muitos acidentes e doenças na época, trabalhadores indianos e quenianos estavam sumindo misteriosamente dos acampamentos.

Enquanto a construção da ferrovia avançava o Engenheiro John Henry Patterson ficava intrigado com aquelas mortes constantes. A falta de trabalhadores atingiu seu ponto crítico quando iniciaram a construção de uma ponte sobre o Rio Tsavo. Os constantes atrasos estavam pressionando Patterson que havia prometido à esposa que terminaria a obra e voltaria a Londres antes do nascimento do filho.

Durante uma noite, barulhos de rugidos foram ouvidos próximos ao acampamento e, pela manhã, corpos de trabalhadores foram encontrados completamente descarnados, exceto pelas cabeças. Logo Patterson indicou que devia se tratar de leões assassinos, porém foi alertado que leões não são devoradores de homens. A carne humana não fazia parte da dieta dos felinos.

Porém, naquela região, havia um ritual de queima de corpos de pessoas que morriam por doenças desconhecidas para evitar contaminação da população. Os corpos que não fossem totalmente queimados poderiam servir de alimento a animais famintos, inclusive, leões. Essa possibilidade fez com que Patterson voltasse sua atenção à ponte durante o dia e aos leões assassinos à noite.

Os Leões Assassinos Atacam Novamente

Algumas vigílias não foram capazes de impedir mais mortes. A solução seria cercar os acampamentos e os centros para cuidar de feridos e doentes. Com uma cerca feita com acácias que eram muito resistentes e espinhosas, Patterson pensava que manteria os leões assassinos, afastados. Aqueles gigantes de quase 3 metros de comprimento dariam muito trabalho.

Durante uma noite de horror, os leões assassinos pularam a cerca de acácias e continuaram matando. Patterson foi testemunha ocular de algumas das mortes e tantas outras descobertas de corpos. Para ele, havia algo errado com aqueles leões assassinos pois eram diferentes dos demais. Eles não possuíam juba, o que poderia indicar que tivessem alguma deficiência genética.

Os moradores e trabalhadores, muito místicos, logo apelidaram os leões de “A Sombra e a Escuridão” atribuindo a eles poderes sobrenaturais. Segundo se falava, eram a encarnação de espíritos da floresta impedindo a invasão do homem pela ferrovia. O padrão de mortes causada pelos leões assassinos alimentava a crença no sobrenatural pois, aquela altura, nada parecia deter o instinto assassino da Sombra e a Escuridão.

O ritual macabro de matar, devorar os corpos e manter a cabeça intacta era prova de que havia algo diferente nas mortes. As marcas na cabeça se resumiam apenas aos buracos dos caninos, caso os leões assassinos tivessem pego suas vítimas pela cabeça.

A Missão de Patterson

Patterson decidiu eliminar a Sombra e a Escuridão que, durante 9 meses, aterrorizaram o acampamento e mataram aproximadamente 135 pessoas. O engenheiro montou armadilhas, pontos de vigia e diversas armadilhas. Durante algum tempo conseguiu manter os felinos afastados cada vez que eles se feriam em alguma armadilha. Porém, sistematicamente Sombra e a Escuridão voltavam ao acampamento com uma nova abordagem. Era como se tivessem inteligência superior para identificar e escapar das armadilhas, para fazer novas vítimas.

Os leões assassinos foram surpreendidos por Patterson, que alvejou um dos leões de cima de seu observatório. Nesta noite, os leões fugiram assustados e Patterson com sua equipe encontrou um dos leões no dia seguinte. Morto pelos tiros, um dos leões assassinos foi recolhido ao acampamento e exposto aos trabalhadores. A Intenção era que as pessoas parassem de fugir. Patterson ganhou a confiança do acampamento novamente. Já que quase todos os trabalhadores haviam morrido ou fugido com medo da Sombra e a Escuridão.

Leões Assassinos de Tsavo - A Sombra e a Escuridão

John Patterson em Foto ao lado do Primeiro Leão Morto.

Logo o segundo leão voltava ao acampamento atrás do engenheiro. Patterson estava preparado e alvejou o segundo leão, que fugiu. Desta vez, Patterson perseguiu o leão ferido que emboscou o engenheiro numa trilha próxima da mata. Com armas de grosso calibre, o engenheiro atirou 11 vezes para conseguir matar o segundo dos leões assassinos.

Segundo o relato das testemunhas, Patterson teria derrubado o leão com 8 tiros. Porém, atirou mais duas vezes no peito e outra na cabeça. Enquanto isso, o leão se arrastava no chão tentando alcançá-lo. Desta vez, a Sombra e a Escuridão estavam mortos de vez.

A História dos leões assassinosSombra e a Escuridão virou livros, reportagens, lendas sobrenaturais e  até mesmo um um filme homônimo: A Sombra e a Escuridão (1996)